INÍCIO FRASES PIADAS POEMAS PROVÉRBIOS
DICIONÁRIO ENGRAÇADO RESENHAS TEXTOS SUDOKU TERMOS DE USO

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Ayn Rand - A Revolta de Atlas




Uma das maiores recompensas da leitura dos grandes romances é conhecer, de forma bem sucinta e esclarecedora, certos aspectos essenciais da cultura e psicologia de um determinado povo. Os grandes autores sabem colher o que há de mais interessante e característico na vida de sua sociedade e condensar este conhecimento na estória de seus personagens, nos acontecimentos em que se envolvem, na descrição de seu mundo. Alguns países parecem que tiveram a ventura de ter suas características mais básicas melhor apreendidas por autores estrangeiros do que os de seu próprio povo. Os Estados Unidos parece ser o caso mais marcante deste tipo. Quando se analisa os princípios da psicologia da grande nação norte americana, o primeiro autor que surge em nossa mente é Alexis de Tocqueville, um francês do século dezenove que escreveu um importante livro chamado "A Democracia na América." Segundo a Biblioteca do Congresso Americano, o livro de maior influência nos Estados Unidos é a Bíblia, a qual foi escrita, em sua maior parte, por autores judeus. De acordo com a mesma fonte, o segundo livro mais influente é "Atlas Shrugged" (A Revolta de Atlas, no Brasil) da filósofa Ayn Rand, uma cidadã da União Soviética.


A Revolta de Atlas compõe-se de três alentados volumes. No primeiro, vários personagens se destacam, inclusive um que aparece apenas como um mote (Quem é John Galt?). Mas, sem dúvida, o principal deles é do sexo feminino e chama-se Dagny Taggart. Ela é a herdeira da Taggart Transcontinental, a maior empresa ferroviária dos Estados Unidos, na época. Dagny é uma defensora ferrenha do capitalismo mais puro, entendido como um sistema onde os homens capazes, dedicados e superdotados são deixados livres para produzir e trocar os seus produtos através do dinheiro. Tal ação, conforme acredita a autora do livro, gera o maior nível de prosperidade para todas as pessoas na sociedade. O maior obstáculo para que isto aconteça é o Estado, quando se envolve nas questões econômicas tentando controlar a produção e distribuir o que é produzido pelos indivíduos mais capazes. Tal Estado, naturalmente, é controlado por uma classe de burocratas e pensadores aparentemente bem intencionados, idealistas que pensam em ajudar a humanidade administrando a produção e distribuindo uma parte da riqueza produzida pelos super capitalistas (mas sem deixarem de, ao mesmo tempo, atender aos seus próprios interesses). Os burocratas são aliados dos produtores menos capazes e invejosos, que os manipulam para se apossarem de uma parte substancial dos resultados obtidos pelos homens verdadeiramente talentosos e empreendedores, aqueles que criam novas tecnologias e enriquecem graças a sua genialidade e empenho em produzi-las e vendê-las. As pessoas comuns são, via de regra, apresentadas como apoiadoras dos capitalistas aproveitadores e dos burocratas demagogos, pois estes lhes satisfazem o desejo de obterem coisas que não fizeram por merecer, adjudicando-lhes uma parte da produção além do que os capitalistas concordam em pagar-lhes num sistema de livre competição. Não há como não concordar veementemente com Ayn Rand quando ela descreve a classe dos aproveitadores, capitalistas invejosos e incapazes, e os demagogos, e o sistema que favorece o seu domínio sobre a sociedade. Tal descrição torna-se mais contundente à medida que o livro se encaminha para os capítulos finais.

Um dos pontos fracos do livro, no primeiro volume e até a metade do segundo, são os longos diálogos detalhistas e um tanto formais, repletos de frases sugestivas que terminam por reticências. Que distância a que existe entre a monotonia mecânica destas conversas e a brilhante revelação de um caráter na simples palavra dita pelo farmacêutico Homais, no romance Mme. Bovary, de Flaubert, quando, ao oferecer o açúcar para seu ilustre visitante aquele resolve mostrar-se profundo e erudito: "Saccharum?"! A partir da metade do segundo volume a narrativa e os diálogos adquirem uma espontaneidade e profundidade maiores. Cenas como a do desastre do trem no túnel chegam a atingir um alto nível de suspense, devido a manipulação brilhante das expectativas. Havendo lembrado Mme. Bovary, não se pode deixar de notar a semelhança essencial de caráter entre estas duas personagens femininas. A francesa do século dezenove não teve a sorte de nascer, como a americana de um século posterior, rica e poderosa; logo, não tem que lutar com os mesmos problemas. Ambas, porém, só estão interessadas em fazer o que desejam, e não querem sacrificar os seus desejos por nada nem por ninguém. Desprezam as convenções. Desprezam aqueles que lhes dizem que estão erradas. O verdadeiro fim do ser humano, assim elas o entendem, é buscar a realização de seus desejos. Tem seu próprio código de valores, difícil de entender, porque parece não levar em consideração o interesse dos outros. Assim como Hank Rearden, no romance de Rand, não liga para o que pensa ou sente sua esposa (não se consegue apreender claramente porque ele a despreza), Ema Bovary também não se preocupa com os sentimentos de seu marido. Flaubert nos mostra a verdadeira condição de sua personagem e o fim lógico de sua vida, porém Rand envolve a sua numa aura de inexpugnabilidade. Os caracteres principais de "A Revolta de Atlas", com seu código muito pessoal de valores, não são humanos normais: estão sempre certos! Parece que este é um dos principais defeitos da obra, senão o principal. Que tipo de leitor lê com concordância irrestrita, do início ao fim, um livro que se pretende realista e onde os personagens principais nunca deixam de estarem com a razão? Jamais lhes cabe qualquer repreensão, a não ser as que parecem ser dirigidas a um excesso de bom caráter. Todas as pessoas que se lhes opõem acabam revelando um comportamento que é descrito como extremamente mesquinho e repreensível. Esta característica da obra retira-lhe completamente a possibilidade de tornar-se um clássico no sentido tradicional do termo. Que autor consagrado pelo tempo teria cometido tal deslize? Até mesmo as maiores personagens bíblicas, sem contar o próprio Jesus Cristo, eram humanos cheios de falhas, contra as quais tinham de lutar constantemente. Esta é, na verdade, uma das chaves para o entendimento do livro. Seu enredo trata, entre outras coisas, do suposto lugar dos heróis na sociedade: Hank Rearden, Dagny Taggart, Francisco D'Anconia, John Galt e os que os apoiam são pessoas muito além de excepcionais. Na Bíblia, somente o próprio Cristo lhes era comparável em termos de irrepreensibilidade. Nunca existiram muitos seres humanos como eles: São cientistas, inventores de altíssimo nível, filósofos, empreendedores, inovadores, criadores, mártires, todas estas qualidades existindo em cada um deles individualmente; são todos da linhagem de Prometeu, os verdadeiros salvadores e condutores da humanidade com seu fogo tecnológico. O livro trata apenas deles e de seus direitos. O resto da humanidade é composto de pessoas comuns que dependem deles para trabalhar e viver e dos que querem ter os mesmos privilégios que eles sem merecê-los, os parasitas: pessoas comuns que reivindicam direitos naturais, políticos que as apoiam, burocratas ambiciosos e acadêmicos que professam uma filosofia relativista.

Ayn Rand também deixa entrever, no livro, uma curiosa teoria do amor e do sexo. Segundo ela os homens excepcionais só podem satisfazer-se plenamente com uma mulher também excepcional, que colocaria em relevo suas próprias qualidades. A suprema conquista de um grande empreendedor! Neste caso, o papel que cabe à mulher é o da heroína que se deixa usar. Pena que, no livro, o papel de heroína só cabe a uma mulher, a própria Dagny Taggart. Deste modo, alguns heróis devem permanecer solteiros. Também não são poucas as referências aos instintos assassinos dos heróis do livro dirigidos, na intenção ao menos, contra aqueles que desafiam sua visão existencial, sua necessidade de satisfazerem os próprios desejos antes de qualquer outra consideração. Em vários momentos o instinto assassino dos personagens principais aflora contra aqueles que eles pensam que desejam obter qualquer benefício do fruto de seus esforços. Um trem inteiro cheio de passageiros é sacrificado, mas as pessoas que tem de executar a ordem são justificadas de certa forma pois pensam como os heróis do livro, são empreendedores desiludidos com o rumo que a humanidade está tomando, contrário a liberdade irrestrita do instinto empresarial; humanidade esta que pensa existirem direitos naturais além do direito de trabalhar e negociar, coisa com a qual a autora não concorda absolutamente. Ayn Rand, na verdade, defende uma forma de totalitarismo que sempre existiu: a lei do mais capaz (não do mais forte), que lhe permite apossar-se de tudo o que puder conseguir com sua capacidade, até mesmo do mundo inteiro, porém, com uma ressalva legitimante: tudo deve ser feito com honestidade e dentro da lei. Ela não questiona suas premissas, a principal das quais nos diz que o livre empreendedorismo irrestrito com a exclusão de qualquer forma de piedade e ajuda humanitária somente acumula benefícios para a humanidade. O trem e as pessoas sacrificadas, todas elas contaminadas pelo pensamento de que tem direito natural a uma fatia do bolo que os empreendedores cozeram, representam a sociedade que a autora não aceita e que pode ser exterminada sem causar perturbações na superfície da consciência. Em outra cena um homem é apresentado de forma bem positiva como vingador da classe dos produtores ao dar um soco na boca de uma garotinha e quebrar-lhe todos os dentes. A culpa da menina: desejou que o Estado lhe pagasse um aparelho para os dentes, e era feia e má. No final da história a própria Dagni torna-se uma assassina ao matar um funcionário público que tenta impedi-la de entrar em uma instalação governamental. O livro é todo ele um libelo contra a piedade. Numa sociedade que estivesse funcionando como a autora imagina que deveria ser, ficamos nos perguntando o que aconteceria com as crianças e os velhos, os doentes, os fracos e os azarados de todos os tipos. Em nossa mente surgem perguntas do tipo: Em que idade as crianças seriam deserdadas pelos pais? Numa sociedade onde a palavra “dar” representa um tabu horroroso e onde toda piedade é execrada, que direito tiveram D’anconia e Dagny de herdarem as empresas de seus progenitores? Até que idade seus pais os sustentaram? A partir do momento em que começaram a trabalhar, teriam o direito de pedir alguma ajuda a eles, se houvesse necessidade? Ou deveriam receber um sonoro “Não!” em resposta?

Como funciona, na prática, o sistema econômico que Ayn Rand advoga? Imaginemos que no vale de Galt, já mais densamente povoado por pessoas não tão excepcionais quanto seus habitantes originais, um homem empreendedor e capaz estabelece uma fábrica de processamento de abacaxis, para fabricar conservas desta fruta. Uma vez que existe certa procura premente por emprego, já que ali ninguém dá nada para ninguém, as pessoas aceitam trabalhar na fábrica pelo salário que lhes é oferecido, o qual é, naturalmente, o mais baixo que elas podem aceitar (abaixo do qual não trabalhariam de maneira nenhuma), de acordo com as regras deste tipo de capitalismo. Obviamente, não condiz com o tipo de sistema econômico imaginado por Rand pagar um centavo acima do mínimo que as pessoas se disporiam a aceitar, pois isto seria uma atitude piedosa e desnecessária, e a autora do livro abomina a piedade. Tudo deve funcionar segundo as regras estritas do “capitalismo laissez-faire”. Para a autora do livro este seria o cenário mais justo, com as pessoas ganhando o salário mais reduzido possível e os lucros do empreendedor elevados ao máximo. Ainda assim os trabalhadores da fábrica de conservas deveriam ser agradecidos ao homem que lhes deu a oportunidade de terem trabalho e salário. Mas eis que surge no cenário um outro capitalista que deseja entrar no negócio de produção de conserva de abacaxi. Ele vê que não existem trabalhadores disponíveis, pois não há desemprego no vale. Como a margem de lucro é muito alta no negócio, devido aos salários mínimos que são pagos, ele oferece cinqüenta por cento a mais para os que quiserem abandonar o emprego e virem trabalhar na sua fábrica. O primeiro capitalista, percebendo que vai perder todos os seus empregados, aumenta os salários em cinqüenta e cinco por cento. O outro, segue-lhe o exemplo. Por fim todos estão empregados com um salário cinqüenta e cinco por cento maior. Como a produção de abacaxi em conserva aumentou, e devido a concorrência entre os produtores, todos que moram no vale também obtém este produto por um preço menor. E os donos das fábricas também tem o seu lucro. Para Rand, se jamais surgisse um segundo capitalista empreendedor para entrar no ramo de negócios do primeiro, a situação que se perpetuaria com os trabalhadores recebendo um salário irrisório e o dono da fábrica auferindo lucros exorbitantes às custas dos salários de seus empregados, seria perfeitamente aceitável. Uma vez que a autora trabalha somente com axiomas do que deve ser o capitalismo puro, os trabalhadores deveriam aguardar pacientemente, recebendo salários menores do que aqueles que o primeiro empregador poderia pagar, até que surgisse um novo empreendedor para entrar no mesmo ramo de negócio e elevar-lhes os salários. Se os trabalhadores de todas as fábricas do vale resolvessem se unir e fizessem uma poupança, e usassem este recurso para manter numa greve prolongada os trabalhadores da fábrica que estivesse pagando os menores salários, até que eles conseguissem um aumento razoável (o máximo que o empregador aceitasse pagar), a autora aceitaria tal resultado como justo? Certamente que não, pois, para Rand, todos os empreendedores são homens justos e as regras do capitalismo irrestrito só devem funcionar a seu favor. No caso acima descrito os trabalhadores estariam, na verdade, agindo em causa própria da mesma forma como agem os capitalistas quando são louvados por absterem-se do consumo imediato de uma parte de seus recursos para aplicarem-no em seus próprios negócios. Esta é uma das características que distingue os capitalistas e os torna dignos de louvor na mitologia da literatura a seu respeito: a frugalidade. Não podem os trabalhadores serem apreciados pelo mesmo motivo? Não podem eles investir o fruto de sua frugalidade em si mesmos? Não podem ser louvados por usarem a sua inteligência tentando encontrar meios honestos de aumentar a própria renda? 

O maior erro do marxismo é afirmar, de forma axiomática, que os capitalistas são maus e os trabalhadores são boas pessoas; da mesma forma, e ao contrário, Rand parece supor que os primeiros são bons e os últimos são, geralmente, pessoas más; como se houvesse um fado que determinasse que as pessoas, por serem boas ou más, iriam pertencer a esta ou aquela classe. Tais doutrinas, que atribuem certas qualidades de uma determinada classe social intrinsecamente às próprias pessoas que nela estão incluídas, são as mais perniciosas que sempre existiram, estimulando o ódio entre os seres humanos. Um proletário que se torna capitalista passa a ser uma pessoa má? De um outro ponto de vista, o mesmo acontece com um empreendedor que empobrece? Quem acredita nisto está apenas justificando o próprio ódio contra a humanidade. Não é o que diz a constituição dos Estados Unidos da América ao afirmar que todos os homens nascem iguais, bons e maus na mesma medida, independentemente da classe à qual pertencem.

Trata-se o livro inteiro, na verdade, de um conto de fadas, de uma utopia sonhadora, de uma paródia do cristianismo que a autora tanto menospreza e contra o qual tanto se ressente. O capítulo onde é narrada a queda do avião no vale encantado, onde John Galt mantém a sua comunidade de super-cérebros, assemelha-se estranhamente a uma experiência de vida após a morte e ao que muitos crentes na vida após a morte pensam que deva ser o outro mundo: um paraíso destinado àqueles que foram boas pessoas durante sua existência, com todos os problemas solucionados, com tudo funcionando maravilhosamente e as pessoas e a natureza, perfeitas, vivendo em comunhão abençoada. A entrada neste novo mundo assemelha-se à uma morte e renascimento simbólicos, onde o herói do livro aparece para a heroína como uma espécie de semideus, sendo descrito quase como uma consciência pura. A narrativa da volta de Dagny ao mundo normal reproduz com perfeição a sensação daquilo que os cristãos chamam de viver pela fé. A heroína está com os olhos vendados sendo conduzida num avião por Galt, sem poder vê-lo e nem mesmo ouvi-lo. Deve permanecer tranquila, confiando que está nas mãos de alguém poderoso e capaz que irá levá-la com segurança ao seu destino. É assim mesmo que os cristãos devem viver com relação a Deus e ao seu filho, Jesus Cristo. A única frase que o piloto diz para Dagny tranquiliza-a a respeito de sua onipresença: “Sempre estarei aqui”. Também a onisciência divina aparece entre os atributos de John Galt, quando Dagny, sozinha em seu apartamento na cidade de Nova York, manifesta certeza absoluta de estar sendo observada por ele. Ela começa a divagar sobre o tipo de invento que ele deve estar utilizando para poder vê-la. Quase ao final do livro, Galt passa por uma experiência de tortura onde chega próximo da morte, ressurgindo dela como um verdadeiro Anticristo que, assim como o verdadeiro Cristo, sacrifica sua vida para salvar a humanidade. Neste ponto fica claro o que o livro pretende: colocar o homem, com sua capacidade inventiva, no lugar do próprio Deus, apropriando-se de todas as suas qualidades e atributos através do desenvolvimento da técnica e do domínio da matéria. Alguns homens, como Galt, serão deuses; outros, como Dagny, adoradores. Deus mesmo está completamente ausente do livro, apesar de haver algumas pistas a seu respeito, como no ponto em que a autora se refere com desprezo àquele que manda dar a César o que é de César. Coisa com a qual ela não concorda, absolutamente. Obviamente, porque o que é de César é uma parte do dinheiro ganho pelos heróis do livro, o qual é entregue para o governo na forma de impostos (taxação que vai de encontro a filosofia do livro). A autora adora o dinheiro, como se vê no episódio do vale de Galt, onde o obelisco do cifrão dourado domina a paisagem. Dagny não percebe que se a figura de César está inscrita no denário romano a figura de Deus está inscrita em nós mesmos, pois fomos criados a imagem e semelhança de Deus. “Daí a César o que é de César e a Deus o que é de Deus”.

O mundo onde a estória se passa é completamente dominado por figuras masculinas, como se vê no jantar que é oferecido a Dagny no vale de Galt. O capítulo não deveria chamar-se “Atlântida”, e sim “Olimpo”, dada a predominância, neste, de seres do sexo masculino. A autora só tem em mente os super empreendedores, uma classe de seres que reúnem em si mesmos todas as qualidades requeridas de um ser humano para tornar-se extremamente bem-sucedido. São homens capazes de inventarem do nada as máquinas e os materiais mais maravilhosos, solucionando problemas complexos com apenas alguns rabiscos feitos em um pedaço de papel. Possuem ou conseguem se apropriar dos recursos para colocarem suas idéias em prática eles mesmos, sendo também dotados de um senso empresarial perfeito.  Apesar disso, Ayn Rand tem, na verdade, uma alma marxista (no sentido filosófico-religioso). O homem que ela louva é o mesmo que é enaltecido pela literatura comunista: desprovido de crença em um ser que seja superior a si mesmo, criador ele mesmo de seu destino, dominador e transformador da matéria para atender a todas as suas necessidades, e cheio de esperanças em um futuro onde será senhor absoluto do mundo material através do avanço da ciência. Onde estão, nesta elegia ao capitalismo, os empresários que professam sinceramente a ética do cristianismo e do judaísmo ou foram de alguma maneira influenciados por elas e que construíram a grandeza da nação norte americana, exemplo máximo de sociedade que a autora procura enaltecer? No livro, quando os grandes empresários falam de si mesmos sua voz soa incoerente quando se descrevem como materialistas e ateus consumados. Nada mais fantasioso! Ayn Rand ignora ou subverte completamente a realidade descrita no livro de Max Weber “A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo”, e a realidade da formação dos Estados Unidos da América. Alguns dos “Founding Fathers” poderiam ser outras coisas que não cristãos - maçons ou rosacruzes, por exemplo - mas não eram, na sua grande maioria, pessoas irreligiosas ou alheias e contrárias a ética do cristianismo, a qual a autora procura minar completamente. Estranho é que tantos americanos ainda acreditem em suas idéias e sejam tão influenciados por ela. Na verdade, para os inimigos do cristianismo é indiferente que a sociedade seja capitalista ou comunista, assim como também o é para os verdadeiros cristãos. É bem provável que o capitalismo seja intrinsecamente superior ao comunismo como sistema de produção e distribuição, mas o que importa, verdadeiramente, é se a sociedade em questão é justa ou injusta. Os inimigos do cristianismo almejam implantar uma sociedade completamente sem Deus, baseada no ateísmo e no culto ao homem e suas possibilidades. Para este fim tanto faz inculcar nas mentes dos homens o desejo por uma sociedade comunista e descrente ou por uma outra, capitalista e descrente. O materialismo é a crença maior de qualquer um dos dois tipos. O segundo é o escolhido por Ayn Rand como sendo o que ela gostaria de ver implantado.

Um hino de louvor às máquinas (e aos seus criadores) perpassa as páginas do livro, mas em momento algum a autora parece se preocupar em encontrar, para dar-lhe os louvores merecidos, o autor da máquina mais maravilhosa de todas, que ela não cansa de contemplar na figura de seus heróis: o corpo humano. D’Anconia, Rearden e Galt, foram abençoados com corpos físicos tão perfeitos como as máquinas que inventam ou controlam. E todos os três se apaixonam e amam profundamente a heroína do livro. Na verdade, como a própria Ayn Rand disse uma vez, trata-se apenas de uma estória de amor. E das mais fantasiosas. A prova mais contundente que o livro é uma fábula é a reprodução de um paradigma mitológico não plenamente identificado que se reproduz na literatura de todas as épocas: os trabalhadores comuns que nunca aparecem no livro, os milhões de seres humanos que existem apenas para fazerem funcionar as fábricas e minas dos D’anconia e Rearden, para manejarem suas máquinas e consumirem seus produtos, e que estão representados na literatura mitológica de todas as épocas pelos anões de Papai Noel, trabalhando alegremente em sua fábrica de brinquedos (deve ser uma fábrica enorme, para atender a toda a humanidade); pelos anões da Branca de Neve, indo sempre felizes para o trabalho, alimentando-a e, provavelmente, também ao seu príncipe, mais tarde; pelos anões de Willie Wonka, trabalhando e cantando por nada em sua fábrica de chocolates... Esta é a parábola que se repete: uma infinidade de trabalhadores anões esforçando-se para realizar os sonhos de seus patrões de estatura normal (ou um pouco mais do que o normal, no caso de Papai Noel).

Ayn Rand revela algumas das premissas principais de sua filosofia no episódio em que Cherryl, a esposa de James Taggart, vai procurar a cunhada em seu apartamento. Ela começa a ver que seu marido não é tão perfeito como imaginava e passa a desprezá-lo completamente (no que é incentivada por Dagny), com o mesmo desprezo irracional e absoluto dos que se julgam superiores moralmente, acima do bem e do mal, que Hank Rearden manifesta por sua esposa. Dagny expõe seus princípios em algumas poucas frases lapidares, afirmando, por exemplo, que aqueles que sentem comiseração pela culpa não sentem nenhuma pela inocência. Defende-se da acusação de insensibilidade afirmando que sempre que alguém é chamado de insensível tal afirmação prova que este alguém é uma pessoa justa. Os justos não sentem piedade. Esta é a maneira típica de pensar dos que se julgam quase perfeitos, aptos a condenar seus semelhantes a algum tipo de inferno administrado por eles mesmos. Quem errar estará condenado, sem comiseração. Apenas os inocentes, os que nunca são culpados porque nunca erram (como Dagny e seus amigos) merecem piedade, por serem vítimas. A tendenciosidade da autora é claramente revelada no episódio do adultério de James Taggart com a esposa de Rearden, que é apresentado de forma tão asquerosa quanto o deste último com a irmã do primeiro (a própria Dagni) aparece envolto numa aura de sublimidade. Segundo a autora certos adultérios estão, de antemão, justificados. Mais adiante a heroína revela a única norma que obedece em sua vida: não colocar nada acima do veredicto de sua própria mente. Isto é o mesmo que declarar, implicitamente, a perfeição absoluta de uma mente humana particular! Porém, como confiaríamos absolutamente em um órgão que não fosse perfeito para os fins de conhecimento da realidade? Em nenhum momento do livro Dagny se contradiz mais completamente. Uma vez que ela é uma ateia convicta, deve aceitar a teoria da evolução de Darwin e, neste caso, como saber que a evolução da sua mente humana já está completa para confiar nela tão exclusivamente? Mas ela acredita que, sendo um ser que faz parte de uma longa cadeia evolutiva, já atingiu a perfeição. Igualmente, no longo discurso de Galt à nação a mente humana individual é apresentada como o valor supremo que se deve cultuar. Ele tenta convencer as pessoas que não devem aceitar o veredicto de nenhuma outra mente além da sua própria. Não se consegue apreender o significado deste conselho, conducente á uma anarquia total. Teria a mente humana atingido um estágio de racionalidade tão extrema, na concepção da autora, que não haveria mais necessidade da cooperação intelectual na busca da verdade? Galt também afirma que o homem deve moldar sua mente a própria imagem e semelhança do homem, seu ideal moral. Ayn Rand que começou sua trajetória intelectual influenciada por Nietzche, influência que ela mais tarde renegou, na verdade nunca se libertou das idéias daquele filósofo, e o sistema que ela nos apresenta como o mais perfeito é uma espécie de capitalismo com alma de Anticristo.

O maior engano filosófico cometido pela autora é a respeito da natureza do mal e da justiça. Segundo o que ela acredita os maus, que também são incapazes, tentam enganar os bons fazendo-os acreditar que eles é que são maus e desprovidos de piedade por suas fraquezas. A falácia da autora principia com suas premissas, fazendo-nos crer que todas as pessoas verdadeiramente criativas e capazes são também justas, e os desprovidos de criatividade (ou que apenas simulam esta qualidade) e incapazes são também injustos. Não existe um motivo ontológico para ser assim. Muitas vezes, na história da humanidade, a idoneidade andou de mãos dadas com a injustiça, sendo que pessoas simples também podem possuir um senso inato de justiça. A verdadeira natureza do mal está no que uma pessoa acredita com respeito a si própria, atribuindo-se um senso indevido de justiça. Os maus são cheios de justiça própria. Por mais que pratiquem maldades contra os seus semelhantes, movidos pela inveja e cobiça, sempre se auto justificam de alguma maneira. Deleitam-se no auto-engano, parecendo acreditar que por serem tão eficientes em convencerem a si próprios de sua retidão devem estar agindo corretamente, mesmo quando praticam coisas erradas contra os outros. Não se importam com a opinião e o sofrimento alheios. desde que consigam alcançar os seus objetivos.

Ayn Rand esforça-se por demonstrar que, se as pessoas viverem de acordo com sua filosofia, tudo irá funcionar perfeitamente em suas vidas; mas é óbvio que tal só acontece para os personagens principais, e toda a construção da trama se destina a realizar os sonhos mais dourados de Dagny Taggart. Em certo ponto a autora chega a um impasse: é quando a personagem principal decidir-se por qual dos heróis irá se apaixonar. Ela escolhe, naturalmente, o mais importante de todos: o próprio John Galt. Francisco D’Anconia, que a considera a mulher de sua vida, apesar de demonstrar que pretende ficar com ela, deve permanecer solteiro. Estranhamente, apesar de todos os esforços da autora em conferir um tom de grandiosidade ao arranjo final dos acontecimentos, fica claro que D’anconia deve permanecer com um sentimento, o da resignação, que é totalmente contrário àquilo que Ayn Rand vem apregoando por todo o livro. Para ser coerente com uma filosofia de vida onde o egoísmo é a característica mais louvada e desejada, ele não deveria abrir mão daquilo que realmente desejava e que considerava como sendo a coisa mais importante em sua vida, em favor de Galt. O mais certo, neste caso, seria que praticasse em sua vida pessoal os mesmos princípios de competição pura que norteiam o tipo de capitalismo apregoado por Rand. Deveria desejar que Dagny mudasse de ideia e passasse a desejá-lo, ao invés de desejar Galt, deveria esforçar-se para ser mais merecedor do amor da heroína do que este e, caso conseguisse realizar seu intento, menosprezar os sentimentos feridos de seu rival tanto quanto este menosprezou os seus. Ou, se não fosse bem sucedido, pelo menos deveria admitir sua frustração - a qual não precisaria durar para sempre. É assim que as coisas acontecem na vida real. Em poucos momentos a atitude dos personagens principais se mostra mais dissonante das premissas do livro do que neste episódio da renuncia de D’Anconia, a não ser, talvez, no episódio semelhante em que Hank Rearden também deve renunciar ao amor e razão de sua vida. A atitude resignada deste último parece ainda mais patética, face ao tipo de filosofia de vida que o livro apregoa. O leitor atento fica a conjeturar qual deveria ser a decisão de John Galt, para quem Dagny era a realização mais almejada, se ela chegasse ao vale casada com D’Anconia ou Rearden. Tornar-se-ia ele o herói da exaltação do eu vivendo frustrado para sempre, após ter realizado tudo para os outros? Acontece que, no livro de Rand, a competição baseada na vontade pessoal, no egoísmo abertamente admitido, no louvor dos mais competentes, mesmo sendo realizada de forma honesta, menospreza o fato de que num tal sistema o equilíbrio se dá pela consciência de que existem pessoas que ficam para trás, ao menos temporariamente, e nem sempre por serem os mais incapazes. Uma vez que existe competição é porque os recursos são escassos e devem distribuir-se de alguma forma entre os que deles necessitam. Porém, desde que o sistema escolhido para esta distribuição seja um no qual não hajam limites estabelecidos para a quantidade de recursos que cada um poderá amealhar para si, alguns indivíduos ficarão, por muito ou pouco tempo, sem o mínimo necessário para sobreviverem. Sempre existirão aqueles que precisarão de ajuda.

Acontece que a autora desenvolve a caricatura de um sistema capitalista viciado, onde o estado se intromete cada vez mais na vida das pessoas tentando regular a produção e a distribuição, justificando-se com argumentos falaciosos que enaltecem a igualdade de oportunidades e a piedade com os fracos e os deserdados pelo sistema. Tal descrição não leva em conta as forças que atuam em sentido oposto num tal sistema, forças que não são desprovidas de poder, estando em primeiro lugar entre elas os próprios capitalistas. A verdade é que não existem muitos deles que sejam tão puros livres empreendedores quanto os heróis do livro. É difícil encontrar, na história do capitalismo, exemplos concretos de seres tão virtuosos. A maioria absoluta dos empreendedores entende a verdadeira natureza do sistema capitalista, sua incapacidade de proporcionar estabilidade aos que dele participam, devido a ser um sistema de livre competição; sabe que os seus competidores estão sempre prontos a buscarem vantagens em alianças com os poderosos de plantão, e está inteiramente disposta a agir da mesma forma. Uma caricatura é um exagero de certos traços característicos de um rosto ou de uma personalidade, com a concomitante minimização de outros. É este o retrato do capitalista virtuoso que Ayn Rand apresenta em sua obra. Exagera as capacidades científicas e de empreendimento, como se elas não existissem, na maioria das vezes, separadas em indivíduos diferentes, e minimiza o pragmatismo dos empresários. Feita a caricatura é fácil para a autora investir contra aquilo que ela mais odeia, ou seja, qualquer coisa que tenha como objetivo a igualdade de oportunidades e a piedade para com os necessitados do sistema, valores que ela identifica com o cristianismo.

Uma das grandes falácias do argumento está em colocar no mesmo barco com os capitalistas invejosos, burocratas e pseudo intelectuais, a grande massa de pessoas comuns, com raras e honrosas (do ponto de vista da autora) exceções. Entretanto, o que faz, verdadeiramente, justiça à realidade é admitir que sob os dois sistemas, capitalismo puro ou estatal (este último na sua forma extrema sendo o comunismo), o povo é explorado para servir aos interesses de algumas classes privilegiadas. Os burocratas, os demagogos e os ricos conseguem alcançar os seus objetivos através do dinheiro ou da persuasão e educação superior. Mas ao povo comum só é deixada a alternativa do voto na maioria das sociedades democráticas e capitalistas. Como, porém, são os ricos e os bem educados que quase sempre conquistam a oportunidade de disputarem os cargos na política, as pessoas desprovidas de riqueza e diplomas ficam sem representação adequada, tornando-se, facilmente, massa de manobra para as outras classes. Mas para a autora de A Revolta de Atlas, somente a mão invisível do capitalismo é que deve distribuir o resultado da produção no mundo, desconsiderando-se qualquer sentimento de piedade pelos necessitados de ajuda. 

O livre capitalismo não é um sistema perfeito. Sê-lo-á somente no dia em que o excedente de produção for muito grande, havendo o suficiente para que todas as pessoas na Terra tenham abundância de tudo, inclusive tempo para aproveitar a vida. Porém, quando tal dia chegar, talvez os seguidores das idéias de Ayn Rand advoguem que todo excedente deverá ser destruído e que nada deverá ser concedido, a não ser por um preço justo, mesmo que os necessitados que não podem fazer nada não tenham com que pagar.


José Cassais

2 comentários:

  1. Prezado José,
    Seu estilo de escrita é agradável, claro e inteligente.
    Mas é uma pena que tenha interpretado o livro da maneira como o descreveu. Cada um tem o direito de interpretar o que quer que seja de acordo com suas próprias convicções ou crenças. Concluí a leitura ontem, hoje lendo seu texto, para mim ficou muito óbvio que houve uma grande deturpação do que Ayn Rand realmente quis transmitir. Diversas passagens mencionadas por você, fora do contexto realmente transmitem a ideia do que você quis transmitir por alguma razão. Me fez lembrar os ateus que selecionam versículos biblicos fora do contexto para "provar" a inexistência de Deus. Se eu não tivesse lido o livro e não fosse um pouco racional eu certamente acreditaria no que escreveu.
    Em momento algum o livro transmitiu alguma ideia que eu julgasse contraria ao proposito de Deus para o homem, muito pelo contrário, como você mesmo disse, os heróis do livro eram deificados, embora naturalmente haja fantasia (caso contrário seria noticiário, não um livro),é possível identificar claramente a correspondencia do livro com os fatos que vivemos hoje, os vilões são os mesmos do livro, é uma pena que nossa cultura não tenha permitido que existissem heróis como o do livro.
    A dica para outros que passarem por aqui se aplica a livros, a visões politicas e religiosas e a qualquer outra coisa: Sejam racionais, não julguem sem conhecer, não acreditem em tudo que se le ou ouve, não anule a si próprio aceitando uma ideologia que não seja construída pela sua própria razão com base no conhecimento dos fatos, jamais se limite a "seguir" a manada. Tenha a liberdade de pensar, de ser você mesmo, seja você o único responsável pelo seu sucesso ou fracasso, lute por um mundo em que cada um determina seu destino de acordo com seu próprio esforço, seja você um empregado ou um empregador, tenha consciência de sua importância e faça seu melhor. Não tenha medo de crescer e prosperar, não é imoral ter mérito quando as conquistas foram obtidas dando valores e recebendo valores.


    ResponderExcluir
  2. A hipótese construída sobre o Vale de Galt foi extremamente reducionista e não condiz com o apresentado no livro. Apenas para citar dois exemplos, e restritos às passagens do Vale, há um ex-trabalhador braçal que aprende para tornar-se um empreendedor, e os funcionários não contribuem da mesma forma, recebendo valores diferentes. Na hipótese apresentada, ou o indivíduo é empreendedor ou é trabalhador. Não li o restante da resenha para poder opinar sobre outros pontos.

    ResponderExcluir